sábado, 30 de janeiro de 2016

Doenças de Inverno: Como lidar com seu bebe

inalação

É isso, tosse, catarro, noites mal dormidas, que mãe nunca? E nesse inverno as coisas parecem que nunca vão melhorar não é?


Bom, faz alguns meses (isso mesmo, meses) que venho lutando com meu bebe Lucas no combate à essas doenças de inverno (motivo pelo qual o blog está tão sem movimento). Ele não dorme, eu não durmo e quando dorme, dorme mal e eu .. bom, eu não durmo nunca!


Meu bebe Lucas começou com essas tosses em março desse ano, ficou tão cheio de catarro que engasgava dormindo. Pavor total. Só Deus sabe (e outras mães...) o que tenho passado com esse menino.


Cada médico fala uma coisa, já levei em pneumologista, otorrino, pediatra, alergista e o que descobri? Que meu filho precisa viver numa bolha de plástico pra ficar bem.


Ou seja, ele é uma criança tipicamente paulistana. Vive na poluição. Por mais que eu limpe a casa e suma com tapetes, cortinas e ursos de pelúcia, lá sempre terá muita poeira ... e isso é um fator alergênico desencadeante dessas tosses com ou sem muco ...


Bom, ainda estou na luta, mas como pesquisei muito, tenho muito texto guardado aqui comigo e que talvez possa ajudar alguma mãe desesperada assim como eu.


***************


(TEXTO EXTRAÍDO DO SITE einstein.br)


DOENÇAS DE INVERNO


O clima seco e as mudanças bruscas de temperatura contribuem para o aparecimento de algumas doenças típicas da época mais fria do ano e também favorecem as crises alérgicas


Quando a temperatura cai, diversas doenças atacam o organismo. O sistema respiratório é o principal alvo de vírus e bactérias, que aproveitam o tempo seco e locais fechados para se espalhar.

O inverno também favorece a diminuição da imunidade, o que predispõe a tosse, coriza e dificuldade para respirar, além de propiciar a congestão do nariz, dos seios da face e dos ouvidos, criando condições favoráveis à propagação do vírus da gripe.

Algumas atitudes simples do dia a dia podem prevenir os desconfortos típicos dessa época do ano. Para evitar esses incômodos é importante:

  • evitar aglomeração e locais fechados

  • limpar os olhos e narinas com soro fisiológico

  • lavar as mãos constantemente

  • beber bastante água

  • retirar o pó da mobília

  • manter as roupas de cama sempre limpas


Conheça as doenças respiratórias mais freqüentes:


** Bronquite Aguda


Em geral é desencadeada por infecção. Pode apresentar-se com tosse, secreção, falta de ar e chiados.

Tratamento:

É realizado com antibióticos, corticóides e broncodilatadores.

 

** Bronquite crônica e enfisema

São doenças secundárias ao tabagismo, levando a tosse crônica com secreção mais intensa pela manhã, chiados e cansaço aos esforços. A bronquite é a inflamação dos brônquios, com espessamento das paredes e redução do fluxo de ar. O enfisema é a destruição do tecido pulmonar propriamente dito. Estas doenças em conjunto são manifestações de Deonça Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

Tratamento:

Parar de fumar. O uso de broncodilatadores, corticóides e fisioterapia vai depender da gravidade da doença e das alterações na prova de função pulmonar e na tomografia de tórax

 

** Asma

A asma é uma inflamação crônica de vias aéreas, com episódios de descompensação desencadeados por exposição à poeira, cheiros fortes, mofo, pelos de animais, entre outros.

Tratamento:

Inicia com o que é chamado de higiene ambiental – a retirada dos possíveis desencadeadores. O uso de corticosteróides inalatórios é a base do tratamento da asma, associado a broncodilatadores de longa duração, como o formoterol e salmeterol. Caso haja rinite, essa também deve ser tratada.

** Resfriado

O resfriado ou catarro comum (vulgo constipação) é uma infecção viral do revestimento do nariz, da garganta e das grandes vias respiratórias.

Tratamento:

Uma pessoa resfriada deve evitar esforços físicos e beber bastante líquido. Aqueles que têm febre deverão permanecer em repouso.

** Faringite
É um vírus ou bactéria que inflama a garganta, conhecida como faringe.A faringite aparece como dor de garganta, febre alta, presença de placas de pus nas amígdalas e gânglios aumentados e doloridos no pescoço.




Tratamento:A faringite viral é tratada a partir dos sintomas gerados. Já a faringite bacteriana, deve ser tratada com antibióticos.

** Rinite e Sinusite





A rinite é a inflamação das cavidades nasais, e pode ser causada por vírus (resfriado comum ou gripe) ou por inalação de substâncias irritantes e alérgicas, no caso da rinite alérgica. Nesta situação, a inflamação começa logo após a exposição ao ácaro, mofo, poeira, cheiros fortes, entre outros.

Tratamento:

A piora do quadro após um período inicial de melhora sugere infecção bacteriana secundária, e indica tratamento antibiótico. Caso contrário, apenas sintomáticos e lavagem nasal com soro fisiológico ou solução hipertônica a 3% são suficientes. Não há necessidade de se realizar radiografia ou tomografia de seios da face nos quadros agudos. Os casos crônicos ou recorrentes devem ser avaliados com tomografia de seios da face, com tratamento específico conforme os achados. O uso de descongestionantes nasais com vasoconstritores é bastante discutível, e quando utilizados, não o devem fazer por mais de 7 dias.

** Coqueluche:





Conhecida como tosse espasmódica, é uma doença de grande importância na infância, que pode levar a complicações graves, inclusive com óbito.

Tratamento:

Uma vez feito o diagnóstico, o paciente deve ser colocado em isolamento respiratório por 5 dias a partir do início do tratamento específico, que é feito com antibióticos.

** Pneumonia





A pneumonia é a infecção que acomete a estrutura do pulmão (bronquíolos e alvéolos), e pode ser causada por bactérias, vírus e fungos. Os quadros mais comuns são virais ou bacterianos.Tratamento:

Baseia-se na extensão da doença, na presença de complicações, na idade do paciente e na existência ou não de uma doença de base, como insuficiência cardíaca, diabetes, entre outros. Podem ser necessários apenas antibióticos e antitérmicos, ou em casos mais graves, internação e antibióticos de uso endovenoso, cuidados de enfermagem e fisioterapia.


Revisão médica:Telma Antunes, pneumologista do Einstein


***************


Deu uma clareada no processo mamães?


Infelizmente ainda não posso contar uma história de sucesso e nenhuma receita milagrosa mas posso falar o que já fiz com o Lucas.


Ele atualmente faz tratamento com Montelair que é indicado para o tratamento de: asma, incluindo a prevenção dos sintomas de asma durante o dia e noite. Montelair também previne o estreitamento das vias aéreas causado pelo exercício; rinite alérgica, incluindo sintomas di - urnos e noturnos como congestão na - sal, coriza, coceira nasal e espirros; congestão nasal ao despertar, dificuldade de dormir e despertares noturnos; lacrimejamento, coceira, vermelhidão e inchaço dos olhos. (fonte ache.com.br)


Fez 3 meses de tratamento com Broncho- Vaxon: terapia adjuvante em todos os processos infecciosos do trato respiratório. Prevenção de recidivas e da transição para o estado crônico. Broncho-vaxom® é especialmente recomendado como terapia auxiliar nos seguintes casos: bronquites aguda e crônica; amigdalite, faringite e laringite; rinite, sinusite e otite; infecções resistentes aos antibióticos convencionais; complicações bacterianas decorrentes de infecções virais do trato respiratório, especialmente na criança e no idoso. (fonte medicinanet.com.br)


E não vi nenhuma vantagem, talvez a longo prazo, mas pra esse inverno esse investimento caro foi talvez desnecessário...


O Lucas cada vez que tem uma dessas doenças de inverno, os médicos dizem que é cada hora uma coisa, mas basicamente eles receitam: predisin, antibiotico azitromicina e inalação 3x ao dia com berotec e atrovent.


Acreditem meninas, TODOS os médicos receitam a mesma coisa, tenho 3 receitas iguais (uma da pneumo, uma do otorrino e uma do pediatra da emergencia) .. receita de bolo, isso sim!


Estou na luta para descobrir .. e até o final do inverno trago novidades =)


Positivas! Se Deus ajudar! (pq até promessa já fiz e nada)


Bjs




Nenhum comentário:

Postar um comentário